Heróis e o Cinema: um acerto improvável - Diversos


09 de julho, 2015

Spawn

O soldado do inferno é uma das minhas HQs preferidas, acho a arte de McFarlane primorosa e o tom sombrio com que a história é conduzida me são fascinantes. Agora nas telonas os caras aparentemente se esforçaram bastante pra tentar fidelizar com os quadrinhos, o protagonista que faz Al Simmons é bem parecido, Violador ficou até bem caracterizado [O Peste manja?], mas a película é um verdadeiro desastre, uma narrativa tosca, com efeitos visuais ainda mais toscos, o embate final com Malebolgia é digno de Playstation 1.

Podemos até levar em consideração a época que não era dotada da melhor renderização rotineira do cinema atual, mas prefiro ver um stop motion a um boneco lustrado em pixels mal feitos. Ao que tem rolado boatos na internet os caras estão prometendo uma nova saga para o renegado do inferno e tomara McFarlane e o estúdio que vai rodar a bagaça tenham mais bom senso com a obra. Veremos.

Demolidor

Esse é provavelmente Top 3 de muitas listas afora do fracasso heroico nos cinemas.
Confesso não saber muito além do já citado da história de Matt Murdock, o advogado sem visão que combate o crime habilidosamente com tchacos e armas brancas do tipo. A adaptação que tem o também controverso Bem Affleck como protagonista é irrisória, com efeitos visuais tão desatrosos quanto Spawn, a cena de luta no parquinho e a dramaticidade da cena chuvosa dão o que falar até hoje, um pastelzão de vento. Atualmente estreou a série, confesso que o visual do personagem me pareceu tão esdruxulo quanto o do filme, ao invés de um capuz o herói veste uma espécie de bandana [ou é cueca?] que destoam do original do gibi, mas ainda assim vou me dar ao trabalho de ver como reage o endiabrado no novo formato.


Lanterna Verde

Ai, ai né. Não sei o que falar dessa joça, que filme medonho. Segue a chinfra tecnológica, porque insistem tanto neste tom videogame para as histórias, não é possível que o público no geral realmente goste tanto deste apelo, vai entender. Ryan Reinolds mais um pupilo da escola Nicholas Cage aqui vira um patético Hal Jordan, uma história repleta de clichês e de uma chatice sem fim, digna de Framboesa de Ouro. Um personagem tão interessante do Universo DC tão mal aproveitado.


X-men

A trupe de mutantes tem uma importância grande na história de qualquer geração anos 90, o desenho clássico televisionado por aqui marcaram toda uma geração e pudera, é puro quadrinhos, todas as referências estão ali. Eis que em 2000 os mutantes ganham as telonas, e eu devo ser muito ortodoxo, mas roupinhas de couro, estereótipos galã e modeletes não me convencem definitivamente, eu preferiria a pieguice caricata a essa humanização, afinal não estamos falando de super-heróis? Hugh Jackman acabou virando unanimidade como Wolverine, mas na boa, o tampinha mais indômito do universo ficou totalmente avesso ao galã saradão, eu colocaria um Dani Trejo no lugar. Sem contar que em toda trilogia o único que de fato chama a responsa paladina é Wolverine, os demais são um bando de teenage assholes que não fedem nem cheiram [coloquem a Shakira de Vampira logo!], não à toa o estúdio resolveu explorar as histórias solo do vil personagem, tão igualmente ruins, que porra foi aquele Samurai Prateado?! A única que me agradou de leve foi o Primeira Classe que tem ali seu cuidado índole, mas Dias de um futuro Esquecido conseguiu desmoronar com um dos episódios mais legais da série, totalmente parco. O pior é que certamente vem mais lixo explosivo por ai, aff..


Quarteto Fantástico

O Quarteto também vem na lista nostalgia, apesar de ser sempre uma série do segundo escalão os virtuosos heróis eram garantia de atenção na extinta Fox Kid. Ai vem os malditos anos 2000, é ruim demais né, não tem muito o que ser descrito, mais uma vez um elenco juvenil com top-models soltando fogo pelo rabo, uma asneira sem precedentes, então que tal colocarmos o surfista prateado pra dar um brilho? Nop! Como Hollywood parece arrependida de muita das merdas feitas vem ai, adivinhem só, mais um reboot da série, o trailer em si já dá bem mais seriedade na coisa [olha como amadurecemos], mas eu já arrisco dizer que é mais uma produção pastelão no limits, aggh. Prometo qualquer hora peneirar o que de bom já foi feito, dentro da lógica reles deste opinador [Sin City, Watchmen, Máscara] tem coisa boa vai..